TCC's do Curso de Farmácia IMEPAC Araguari



Título
Resumo
O presente trabalho avaliou a qualidade de cápsulas de captopril 25mg produzidas em Farmácias Magistrais da cidade de Araguari (MG), de acordo com critérios estabelecidos pela legislação em vigor. Foram adquiridas 30 amostras de cada estabelecimento, denominadas aleatoriamente de Farmácia 1, 2, 3 e 4. As amostras das farmácias foram comparadas entre si, avaliando aspectos físicos externos das embalagens das amostras do teste; peso médio; perfil de desintegração e teor de fármaco por meio do teste de uniformidade de conteúdo. Em termos do teste visual das embalagens e das cápsulas de captopril, todas as farmácias obtiveram resultados satisfatórios nos quesitos de Forma das cápsulas, informações do rótulo, limpeza, presença de algodão e de etiquetas informativas. Contudo, as embalagens das Farmácias 3 e 4 não apresentaram conformidade no rótulo, pois os mesmos estavam em tamanho inadequado para o frasco. Quanto a presença de sílica, a Farmácia 3 apresentou ausência da mesma em sua embalagem. O teste de peso médio é um ótimo indicador para a garantia da uniformidade de dose e, consequentemente, sua segurança e eficácia do produto manipulado. Nas amostras testadas, apenas a Farmácia 1 foi reprovado no teste, por apresentar 4 amostras fora dos limites especificados na Farmacopeia Brasileira, bem como por apresentar o coeficiente de variação superior (7,82%) ao limite máximo de 6,0% estabelecido pela FB. Quanto ao teste de desintegração, as amostras das 4 farmácias avaliadas apresentaram tempo de desintegração inferior a 8 minutos, portanto, em conformidade com as especificações estabelecidas. Em relação ao teste de uniformidade de doses unitárias, o método de Uniformidade de Conteúdo apresentaram resultados dentro dos limites estabelecidos para as amostras das Farmácias 1, 2 e 4, sendo que a Farmácia 3 obteve reprovação neste teste por apresentar 7 amostras com altas concentrações de captopril por cápsula (em miligramas). Portanto, pôde-se concluir que os testes de controle de qualidade propostos neste trabalho foram atingidos de forma satisfatória.
Autores
Gabriela Francisco Diniz
Lilian Aparecida dos Anjos
Orientador
Herbert Cristian de Souza
Data
Dez/2013


Título
Resumo
Devido aos índices elevados na ocorrência de câncer de pele é indispensável uma proteção diária. Com isso este trabalho propôs avaliar a eficácia de protetores solares preparados em farmácias magistrais quanto ao FPS utilizando o método in vitro através da técnica de espectrofotometria. Para tal foi adotado protetores solares produzidos em farmácias magistrais da cidade de Araguari-MG. Padronizaram-se os protetores solares na forma de loção, com valores de Fator de Proteção rotulado em 30. Das quatro loções analisadas, duas apresentaram valores próximos ao rotulado, uma apresentou valor acima e outra com valor bem inferior ao valor rotulado.
Autores
Érika Andressa Resende
Mariana Messias Costa
Orientador
Herbert Cristian de Souza
Data
Dez/2012


Título
Resumo
A prescrição é uma ordem escrita por profissionais habilitados, dirigida ao farmacêutico e ao paciente, definindo os medicamentos que devem ser dispensados e determinando as condições em que o mesmo deve ser utilizado, entretanto, uma prescrição com falta de informações, ou informações pouco claras pode induzir a erros de medicação, que geram prejuízos que recaem sobre o paciente. Logo o presente estudo avalia o perfil dos erros nas prescrições atendidas e o percentual de retirada efetiva de medicamentos da Farmácia Municipal de Araguari-MG, permitindo uma compreensão de como o medicamento contribui para a orientação da assistência farmacêutica na dispensação de medicamentos e atenção médica no atendimento ao paciente nas unidades básicas de saúde (UBS) durante o período de dois meses, incluindo todas as prescrições que tiveram no mínimo um item dispensado. Foram avaliadas 29.523 prescrições medicamentosas nos meses de Junho e Julho do ano de 2012, sendo que deste total retirou-se uma alíquota de 9.480 (32%). Do total de medicamentos prescritos todo o atendimento foi realizado pelo sistema único de saúde (SUS) do município que é oferecido pela Prefeitura Municipal de Araguari-MG. Os resultados obtidos corroboram com achados de estu­dos nacionais e internacionais e evidenciam que os erros de prescrição são comuns e devem ser enfren­tados pelos profissionais envolvidos na assistência à saú­de, com destaque para o Sistema Único e Saúde.
Autores
Géssica Stefane de Castro
Isabela Arruda Costa
Orientador
Herbert Cristian de Souza
Data
Dez/2012


Título
Resumo
O consumo de plantas medicinais tem base na tradição familiar, e tornou-se prática generalizada na medicina popular, grande parte da população, principalmente a de baixa renda, utiliza-se dessa técnica milenar como principal recurso para a manutenção e alívio de seus males, sendo que, estudos realizados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que até 91,9% da população já fez uso de alguma planta medicinal. O Brasil possui a maior biodiversidade do planeta, agregada a uma rica diversidade étnica e cultural que detém um valioso conhecimento tradicional associado ao uso de plantas medicinais, porém as plantas medicinais da flora nativa são consumidas com pouca ou nenhuma comprovação de suas propriedades farmacológicas, propagadas por usuários ou comerciantes. Este trabalho foi desenvolvido com o objetivo de traçar o perfil da população de Estrela do Sul-MG, frente ao uso e conhecimento tradicional de plantas medicinais. A avaliação foi feita por meio de visitas e entrevistas estruturadas, nas quais foram entrevistadas 50 pessoas, com idade média de 48 anos. Todos os entrevistados foram alfabetizados, porém apenas 14% da população amostrada apresentou formação superior. Notou-se que o uso de plantas medicinais ocorre com mais freqüência entre a população acima de 41 anos e com menor nível de escolaridade, sendo que o conhecimento destas pessoas acerca das plantas é proveniente de gerações anteriores. As plantas são obtidas pela maioria dos usuários, em plantações próprias, e utilizadas com maior freqüência sob a forma de chá. Grande parcela da população estudada (94%), ainda faz uso de plantas medicinais.
Autora
Janaína Bacelar de Souza
Orientador
Herbert Cristian de Souza
Data
Dez/2012


Postagens populares